Motivação do crime está em investigação, diz secretário

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campo, e o comandante da Polícia Militar, coronel Marcelo Salles, disseram hoje (13), em entrevista coletiva sobre o massacre na Escola Raul Brasil, em Suzano, que a motivação do crime ainda não é conhecida, mas está sendo investigada pela Polícia Civil. “Todos esses cabos soltos, cabe à polícia agora ir amarrando”, disse o secretário.

Os dois atiradores, confirmados como Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, eram ex-alunos da escola Raul Brasil. Um deles, Guilherrne, estudou na escola até o ano passado e tinha problemas (que não foram citados). Um inquérito foi aberto, e já houve uma reconstituição no local.

Tiroteio na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, a 57 quilômetros de São Paulo, deixou mortos e feridos. Segundo a Polícia Militar, dois jovens armados e encapuzados invadiram o colégio e disparam contra os alunos.

Os atiradores entraram na escola com certa facilidade, já que o portão estava aberto. Eles chegaram em um carro branco e portavam um revólver 38, quatrojet luders (para recarregamento de arma), uma besta (uma espécie de arco e flecha) e uma machadinha, que foi encontrada com um dos atiradores. Antes de entrar na escola, eles atiraram no dono de uma locadora de carros, Jorge Antonio Moraes, que também veio a óbito.

O Secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campos (áudio abaixo) concedeu entrevista coletiva em Suzano, onde ocorreu um ataque à Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, o governador João Dória falou à imprensa.   Dez pessoas morreram durante o ataque praticado por dois ex-alunos da escola.    Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, são os autores do ataque e suicidaram

Quando entraram na escola, eles atiraram primeiro na coordenadora Marilena Ferreira Vieira Umezo, depois em uma funcionária da escola, reconhecida como Eliana Regina de Oliveira Xavier, e então miraram os alunos. Cinco estudantes e as duas funcionárias da escola morreram. Os atiradores se mataram.

Os alunos que morreram foram Pablo Henrique Rodrigues, Cleiton Antônio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquíades Silva de Oliveira e João Vitor Ramos Lemos (morreu na ambulância do Samu, a caminho do hospital).

Segundo o governo paulista, os feridos são Leticia Melo Nunes (removida para o Hospital Santa Maria), Samuel Silva Felix (levado para o Hospital Santa Maria), Beatriz Gonçalves, Anderson Carrilho de Brito, (atendido no Hospital Santa Maria) Murilo Gomes Louro Benite (está no Hospital das Clínicas), Jennifer Silva Cavalcanti (Hospital Luzia de Pinho Mello, em Mogi das Cruzes), Leonardo Vinicius Santana, Adna Bezerra e Guilherme Ramos. O estado de saúde dos feridos não foi informado.

É grave o estado de saúde de dois dos sete feridos em Suzano

Sete feridos pelos dois atiradores que invadiram a Escola Estadual Raul Brasil na manhã desta quarta-feira (13), em Suzano, foram encaminhados para hospitais da região. De acordo com o governo estadual, dois destes feridos foram levados ao Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes. Um deles, em estado gravíssimo, foi socorrido, mas não resistiu. A outra vítima está em estado grave, mas estável e em avaliação médica. A identidade das vítimas não foi informada.

Policiais são vistos na escola Raul Brasil após um tiroteio em Suzano em São Paulo

Para o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), foram levados cinco feridos: dois deram entrada em estado grave, e um deles não resistiu. Os outros três estão estáveis.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo destacou dois psiquiatras e um psicólogo para prestar atendimento às famílias e aos demais envolvidos na ocorrência. Os psiquiatras e o psicólogoa atuarão em conjunto com a equipe do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Suzano.

Polícia identifica atiradores de escola em Suzano

Em entrevista coletiva concedida na tarde de hoje (13), a polícia civil de São Paulo confirmou o nome dos dois atiradores da escola Raul Brasil, em Suzano, na grande São Paulo. Os autores do crime são Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, ex-alunos. A motivação para o crime ainda não foi divulgada. Guilherme estudou no colégio até o ano passado.

Os dois atiradores chegaram à escola por volta das 9h30 da manhã de hoje, durante o intervalo de aulas, e atiraram contra funcionários e estudantes. Cinco crianças e um funcionário morreram no local. Os dois atiradores se mataram. De acordo com último balanço divulgado pela polícia, 10 pessoas ficaram feridas e 10 pessoas morreram, incluindo os dois atiradores.

Atiradores utilizaram revolver calíbre 38 e uma arma medieval no ataque Foto Redes Sociais

Dentre os que morreram, duas eram funcionários da escola, Eliane Regina de Oliveira Xavier e Marilena Vieira Umezo. Cinco eram alunos do ensino médio: Pablo Henrique Rodrigues, Clayton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e Doulas Murilo Celestino, que morreu no deslocamento para o hospital.

Vinte e três pessoas foram levadas ao hospital, entre elas, pessoas que passaram mal após o ataque. Antes de chegarem à escola, eles atiraram no dono de uma locadora de carros, Jorge Antonio Moraes, que também veio a óbito.

O governador João Doria decretou luto oficial de três dias no estado.

Massacre em Suzano está entre os assuntos mais comentados no Twitter

ataque na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), está entre os assuntos mais comentados mundialmente no Twitter. O tópico chegou a liderar os assuntos mais comentados no início da tarde. Autoridades, políticos, entidades e usuários comuns manifestam solidariedade às famílias das vítimas e condenam a violência. No Brasil, usuários relembram outras tragédias e tiroteios em escolas.

Autoridades brasileiras como o ministro da Educação, Ricardo Vélez, e os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), estão entre os que manifestaram apoio às famílias das vítimas.

Usuários também pedem uma cultura de paz nas escolas e discutem o uso de armas de fogo. A saúde mental dos atiradores e a necessidade de atendimento adequado para que tragédias como essa não voltem a ocorrer também estão em pauta na rede social.

Imprensa internacional

O assunto repercute também na imprensa internacional. Veículos noticiam o tiroteio e destacam que massacres como esse, embora já tenham ocorrido, são raros no país.

A revista norte-americana Time destacou que o Brasil tem a maior taxa de homicídios no mundo, mas que tiroteios nas escolas são raros. Também nos Estados Unidos, o The Washinton Post citou o massacre de Realengo, no subúrbio do Rio de Janeiro, em 2011 – quando um adulto (23 anos) efetuou mais de 60 disparos e matou 12 crianças na escola municipal Tasso da Silveira.

A tragédia foi noticiada ainda pela agência de notícias russa Sputnik, que relatou o ocorrido e o número de vítimas e pela CBS News, serviço de televisão e rádio americano.

No periódico espanhol El País, a tragédia está na capa do portal na internet. Na página em português, as informações sobre o massacre estão sendo atualizadas em postagens em tempo real.

Massacre

O massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano (SP), ocorreu na manhã de hoje (13). Dois jovens armados e encapuzados invadiram o local e efetuaram disparos contra alunos e funcionários. Até o momento, a polícia contabiliza dez mortos. Há ainda feridos sendo atendidos em hospitais e clínicas da região.

A Escola Estadual Raul Brasil atende os anos finais do ensino fundamental e o ensino médio, com um total de 1.058 alunos matriculados. Oferece ainda cursos de línguas para 1.534 estudantes. Contando com a direção, tem 14 funcionários e 63 professores. Tem uma estrutura com 30 salas, contando espaços para aula e atividades extra-curriculares.

previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider
Curta e Compartilhe: