Grupo é acusado de integrar quadrilha de tráfico interacional de drogas e de matar um policial

Wagão

A Polícia Federal montou um esquema especial de segurança no entorno do Fórum de Jaú nesta segunda-feira (12) para a audiência de julgamento de cinco pessoas acusadas de estarem vinculados a uma quadrilha internacional de tráfico de drogas.

Os cinco réus foram presos  após uma operação da Polícia Federal  realizada em 2013 em Bocaina. Durante a operação um Policial Federal foi  baleado e morreu.

A audiência teve início às 09h desta segunda, quando os acusados chegaram escoltados ao Fórum de Jaú. A previsão é de que o julgamento seja concluído na quarta-feira (14).

 

O caso

O bando criminoso foi preso em setembro de 2013, durante operação na zona rural de Bocaina contra o tráfico de drogas internacional. Na ocasião, houve troca de tiros e uma aeronave utilizada pelos bandidos foi derrubada com cerca de 500 quilos de cocaína, oriunda do Paraguai.

Durante a operação o policial federal Fábio Ricardo Paiva Luciano foi baleado e morreu. O crime também culminou com a tentativa de homicídio contra outro agente, Vladimir Rodrigues.

O delegado da Polícia Federal de Bauru,  Ênio Bianospino, disse em seu depoimento nesta segunda-feira (12) que durante as investigações foram periciados cerca de 11 aparelhos celulares apreendidos durante a operação e que através do cruzamento de dados telefônico foi possível colocar pelo menos dois dos réus no local do confronto. Durante as investigações foram cumpridos 16 mandados de prisão.

Ainda de acordo com Bianospino, não foi possível localizar a droga, que segundo ele, não teria sido queimada com a queda do avião. Bianospino disse que as escutas telefônicas, feitas posteriormente indicam que os criminosos tenham conseguidos descarregar a droga. A perícia ainda teria apurado que a aeronave estava preparada para realizar o transporte da droga e seria inclusive abastecida em pleno voo.

Membros do grupo já eram investigados em outra operação da Polícia Federal

Pelo menos três dos réus, acusados de co-autoria no homicídio e tentativa de homicídio dos agentes eram investigados pela Polícia Federal em Campinas. Marcos da Silva Soares, Adriano Martins Castro, Maicon de Oliveira Rocha eram investigados por participarem de um grupo que era contratado para dar apoio em ações da quadrilha. A Polícia Federal teria chegado aos três após uma denúncia  anônima em fevereiro de 2013. As informações teriam sido repassadas a Polícia Federal em Bauru após o início das investigações.

Juri deve durar três dias, objetivo é garantir amplo direito de defesa aos acusados diz delegado federal Ênio Bianospino-Foto Bocaina Informa

Osni Paiva, tio do policial federal morto durante a operação se emocionou ao falar sobre a trajetória do sobrinho e sobre a sua participação no julgamento.” Essa é minha missão, assim como meu sobrinho dizia, missão dada, missão cumprida, essa é a minha missão”, disse.

Paiva se emocionou também durante o depoimento dado pelo colega de profissão do sobrinho, o policial federal, Vladimir Rodrigues, os relatos fortes dos últimos momentos de vida do sobrinho ao lado do colega, comoveu também a defesa dos acusados que chegaram a se solidarizar com a vítima que sobreviveu ao embate com os criminosos.

 

Osni Paiva, tio do policial federal morto se emocionou ao falar sobre a trajetória de do sobrinho-Foto Antônio Carlos/Bocaina Informa
Movimentação intensa no meio da manhã marcaram início do julgamento-Foto Antônio Carlos/Bocaina Informa
Agentes fizeram escolta de acusados-Foto Antônio Carlos/Bocaina informa
Curta e Compartilhe: