Cidade conta com duas instituições voltadas ao atendimento de pessoas com mais de 60 anos e dois Grupos da Melhor Idade, contudo envelhecer com saúde e qualidade de vida é cada vez mais difícil no Brasil.

Gijo's Hamburgueria

Antônio Carlos

Bocaina 31/03/2017

A população brasileira está envelhecendo em um ritmo mais rápido do que a maioria dos países. O estudo mais recente da Organização Mundial da Saúde mostra que o número de brasileiros com mais de 60 anos vai dobrar nas próximas décadas.

A Fundação Getúlio Vargas tem um índice para medir os gastos dos maiores de 60 e sabe que, nos últimos dez anos, o custo de vida subiu mais para os idosos. Se as projeções da Organização Mundial da Saúde se confirmarem, o número de pessoas com mais de 60 anos no Brasil deverá mais do que dobrar até 2050: serão quase 70 milhões de idosos. A expectativa de vida para quem nasce hoje é de 75 anos, 20 a mais do que para quem nasceu há 50 anos.

Essa nova geração vai viver mais, mas a questão é: vai viver melhor? Não é o que acredita a OMS. A pesquisa concluiu que os novos brasileiros vão viver até os 75, mas, com boa saúde, só até os 65. Quem já chegou aos 60, pode esperar mais: 80 anos, se for homem; 83, se for mulher.

Em Bocaina instituição realiza trabalho para melhorar a qualidade de vida dos idosos.

Idosos interagem com voluntários e membros da equipe multidisciplinar (Foto: Bocaina Informa)

 

O trabalho desenvolvido pela equipe multidisciplinar do Lar Vicentino de Bocaina consiste em realizar atividades que proporcionem maior interação do morador do abrigo com a sociedade, passeios e encontros vem sendo realizados entre idosos e população. De acordo com a assistente social do Lar Joice Aguiar o objetivo é estreitar os laços entre moradores do Lar e os diversos segmentos da sociedade bocainense. Joice acredita que proporcionar aos moradores momentos como estes contribui para a melhora da auto-estima dos idosos.

“Alguns acordaram bem cedo por causa do passeio, ficam animados” contou Fabiana Bueno, voluntária que acompanhava o passeio.

Ainda de acordo com Joice Aguiar, para que os passeios possam acontecer é importante realizar parcerias junto aos setores da sociedade. “È importante trabalhar em equipe para proporcionar aos moradores do Lar mais momentos como estes” contou.

Para realizar os passeios o Lar conta com parcerias como da prefeitura municipal e de empresários da cidade que cedem espaços e lanches e também de jovens voluntários como Raul Calciolari, Rodrigo Vechi e Júlio César (Chula) integrante do Projeto Comunidade em Ação. Raul acompanha as atividades e passeios realizados pelos moradores e acredita que a experiência proporcionada pelos encontros é capaz de transformar. “O carinho que recebemos dos idosos do Lar Vicentino quando podemos fazer uma visita, uma recepção calorosa e é muito gratificante você ver a felicidade estampada nos rostos deles” afirmou Raul Calciolari.

Envelhecer com qualidade de vida

Custo de vida subiu mais para os idosos nos últimos 10 anos, afirma FGV. (Foto: Bocaina Informa)

A Organização Mundial de Saúde recomenda que os governos realinhem os serviços de saúde para atender os idosos e deem apoio às famílias que cuidam de pessoas com mais de 80 anos e que toda a sociedade tenha projetos de participação para os maiores de 60, combatendo o isolamento e a solidão

Em Bocaina existe hoje duas instituições voltadas ao atendimento de pessoas com mais de 60 anos, a cidade conta com dois Grupos da Melhor Idade e duas instituições voltadas ao atendimento dos idosos, uma pública e outra filantrópica (mantida através de doações). Atividades como ouvir músicas e cantar podem melhorar a memória e trazer benefícios para a saúde na terceira idade

Para o Psicólogo  e colaborador do Bocaina Informa Edvaldo Antônio Conde,  as causas da esclerose múltipla ainda não são conhecidas, mas a estudos sugerem que a genética e o ambiente em que vivem podem gerar o desenvolvimento da doença. Acredita-se que o fator genético tem em parte sua responsabilidade para o surgimento da doença, pois parentes de pessoas com esclerose múltipla tem mais risco de desenvolver a mesma.

De acordo com Conde existem algumas teorias que a esclerose se desenvolve em pessoas que já nascem com uma predisposição genética e ao ser exposta à algum agente ambiental, desencadeia uma resposta autoimune exagerada, dando origem a esclerose múltipla. A falta de exposição ao sol nos primeiros meses de vida também é considerada um fator ambiental que predispõe o aparecimento da doença.

Outros estudos determinam que alguns vírus podem ser responsáveis para o surgimento da doença, como aqueles presentes na vacina de hepatite. Mas essa hipótese não foi confirmada.

“No momento não há indícios que o fator emocional contribua para o desenvolvimento da esclerose múltipla, mas devemos ficar atentos porque sabemos que o emocional hoje em dia está sendo determinante para o aparecimento de muitas doenças ao longa da vida” conclui.

Para saber mais sobre o trabalho do psicólogo Edvaldo Antônio Conde acesse http://www.edivaldoconde.com.br/ e saiba mais.

OMS diz que brasileiros com mais de 60 vão dobrar nas próximas décadas. (Foto: Bocaina Informa)
Voluntários desenvolvem ações junto aos moradores do Lar ( Foto: Bocaina Informa)

 

 

Curta e Compartilhe:
Categories: Cidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.